Dentro de mim existe um lugar onde vivo inteiramente só
e é lá que se renovam as nascentes que nunca secam.
P.Buch

sexta-feira, janeiro 28, 2011

Adversidades

Fala-se tanto em sustentabilidade que fiquei pensando no seu significado real. Pensei então que sustentabilidade é quando eu consigo crescer e manter esse crescimento.

Mas na verdade, quanto mais crescemos, quanto mais nos expandimos, mais adversidades (problemas) temos. Assim, aumentar a capacidade de lidar com problemas é fundamental. Isso é o que nos mantém no sucesso. O profissional de hoje passa em média por 23 adversidades por dia (trânsito, economia, empresa, família, etc), mas nem sempre está equipado para lidar com isso.

Podemos perceber os sintomas de pessoas/empresa derrotados pela adversidade: Tendência a culpar, reclamar, lamuriar, evitar responsabilidade, ter aversão a risco, apresentar resistência à mudança, vitimização, sensação coletiva de impotência e estagnação. Esses sintomas se tornam cultural, como nos dizeres: “Na família é assim mesmo, nesta firma é assim mesmo, não adianta mudar porque sempre foi feito assim...

Segundo Randy Stefani há três tipos de pessoas na escalada profissional: 1) Desistentes: funcionários que se aposentam anos atrás (mas nunca avisaram ninguém). Não agüentam o peso dos desafios da escalada profissional. 2) Campistas: presos a sua zona de conforto, querem segurança e previsibilidade, mudanças limitadas e, com isso, suas capacidades atrofiam. Fazem apenas o suficiente, perdem motivação e usam metade de seu potencial. 3) Alpinistas: incansáveis em sua escalada. Continuamente se esforçando, crescem, melhoram, aprendem, expandem suas capacidades. Fazem as coisas acontecerem. Recusam-se a aceitar derrota por muito tempo. Motivados por desafios, negam-se a se tornar insignificantes, se adaptam e aprendem com cada desafio. Vão em direção ao medo que paralisa os outros, confrontam adversidades mais que os outros e continuam pensando em novas possibilidades. Segundo estudos, 80% dos funcionários são campistas. Quanto maior a adversidade, mais as pessoas se tornam campistas ou desistentes. O Alpinista vai ser gestor do Desistente e Campista. Se a chefia do Alpinista for um Campista, ele sai da empresa ou é demitido.

Sabe-se que ter amor, carinho, tranqüilidade para estudar, auto-estima, nada disso garante que você será bem sucedido. 75% dos grandes líderes mundiais vinham de famílias com problemas, e eles têm 3 vezes mais chances de crescer.

Hoje já podemos saber se o nosso QA – Quociente de Adversidade é alto ou baixo, pois ele indica como eu respondo a problemas. É no stress que se vê se o QA é baixo ou alto.

Pesquisas indicam que pessoas com um QA alto – têm rendas maiores. Têm mais chances de promoções. Os executivos têm uma performance de 17 pontos mais alto que seus pares.

Pessoa com um QA baixo, mesmo tendo talento, trava por causa da pressão e se torna resignada. Em situação de stress: 1) é reativa, regride, agem infantilizadas, perde tempo com coisas irrelevantes que atrapalha a alcançar a meta e 2) faz mais do mesmo, repete o mesmo comportamento inefetivo).

É necessário desenvolver o QA até por uma questão de saúde. Você pode ter o sonho que quiser, se o seu QA é baixo, nada vai acontecer.

A pessoa com o QA baixo vê tudo o que não dá pra fazer (ou resolve tudo ou eu não me mexo). “Sou insignificante, o que eu faço é insignificante”. Não há nada que eu possa fazer”. Meu metabolismo é lento vou ser sempre gordo”. “Sem MBA, sem inglês nunca serei promovido”. “Eles não promovem mulheres nessa empresa. Estudo revela que pessoas que têm menos influência sobre seu trabalho têm 3 vezes mais casos de lesão por motivos repetitivos (LER). Pessoa com o QA alto é pró ativa, vê o que dá pra fazer para não deixar a coisa piorar.

QA baixo culpa o outro. QA alto assume a sua parte no problema e lida com a solução. CULPA gera impotência, RESPONSABILIDADE gera poder. A responsabilidade de quem fez o erro é solucionar o problema. Se eu estou dentro de um sistema, eu sou parte do problema e portanto parte da solução.

QA baixo acha que o "problema" vai durar para sempre. QA alto – consegue ir além da adversidade. “Eu consigo passar por isso”.

O ponto então é entendermos que os eventos ("problemas") que acontecem no trabalho ou em qualquer área de nossa vida são ferramentas a mais para que eu possa desenvolver minha capacidade de lidar com adversidades em geral. Eu posso rejeitá-los ou posso aceitá-los de maneira positiva tirando o melhor proveito disso. E como então aumentar o nosso Quociente de adversidade? Bom, este então é assunto para um outro post.

Por agora talvez poderíamos escolher uma área de nossa vida e ficar com uma pergunta que, ao invés de nos manter onde estamos, nos leve a um patamar mais positivo e eficiente: “Que ação eu poderia ter para melhorar meu nível de satisfação nesta área de minha vida?”

"Sou 100% responsável por tudo aquilo que me acontece"
Louise Hay

4 comentários:

  1. Ola Zezé! Tudo bem?
    Nossa! Adorei! Nunca tinha pensando em estratificar as pessoas no escritório desta forma. Mas faz muito sentido quando vejo as rotas das carreiras de cada um! Valeu! Obrigada
    Beijo
    Angela

    ResponderExcluir
  2. Grande Zezé
    Tudo bem? Saudade grande.
    Sempre nos ensinando a arte de viver.
    Parabéns. Abraço,
    Daniel Barzi

    ResponderExcluir
  3. Como sempre amei o assunto e me mande a continuação. Parabéns, vc. é dez. Com carinho fraternal
    Rudi

    ResponderExcluir
  4. Oi, Zezé!
    Mas uma reflexão pertinente para o dia de hj...
    Espero q vc esteja bem.
    Um beijo

    ResponderExcluir